A nova mega produção “Guardiões da Galáxia: Volume 3”, que estreia em Portugal a 04 de maio, marca o final desta era no universo cinemático da Marvel (MCU), com a participação da portuguesa Daniela Melchior.

A atriz interpreta o papel de Ura, funcionária que trabalha numa sede empresarial que é feita de matéria orgânica e, por isso, proporciona alguns dos momentos mais bizarros do filme.

“‘Guardiões da Galáxia: Volume 3’ foi uma viagem tão emotiva sobre propósito e as coisas mais importantes no mundo: amor e família”, escreveu Melchior, numa publicação sobre o filme. “Preparem-se para chorar”, avisou a atriz.

Melchior, que já tinha sido escolhida por James Gunn para um dos papéis principais de “O Esquadrão Suicida”, em 2021, volta a fazer parte do elenco de um ‘blockbuster’ do realizador.

A portuguesa aparece caracterizada com lentes de contacto cor de mel e pele cor de vinho e a sua personagem desempenha uma tarefa importante para a narrativa do filme, o último de James Gunn com a Marvel antes de assumir a liderança do concorrente DC Studios.

“Vou ter saudades destes personagens. Essa é a parte triste para mim”, afirmou o realizador, numa conferência de imprensa em que a Lusa participou.

“Guardiões da Galáxia: Volume 3” junta uma última vez o grupo que se tornou num fenómeno de popularidade desde o primeiro filme, que saiu em 2014. James Gunn realizou os três filmes da trilogia.

“Achei que estávamos a fazer uma coisa diferente desde o início, uma fantasia do espaço que era diferente daquilo que tínhamos visto antes”, afirmou Gunn.

A terceira parte volta a ter Chris Pratt como Peter Quill, Zoë Saldaña como Gamora, Karen Gillan como Nebula, Pom Klementieff como Mantis e Dave Bautista como Drax, adicionando Chukwudi Iwuji como o vilão Alto Evolucionário e Will Poulter como Adam Warlock.

“Já fizemos outras trilogias, mas esta parece diferente e uma espécie de momento de passagem”, disse o presidente dos estúdios Marvel, Kevin Feige, explicando que “Guardiões” foi o primeiro filme MCU que não tinha Vingadores.

“Não queríamos fazer só filmes de superheróis, queríamos fazer um filme do espaço. E funcionou”, considerou Feige. “Esta trilogia representa algo único no panteão do universo cinemático da Marvel e estamos muito orgulhosos dela”.

Com boas críticas iniciais, “Guardiões da Galáxia: Volume 3” procura reverter a espiral descendente das últimas grandes produções da Marvel, que não tiveram a aclamação da crítica ou do público que era esperada.

Chris Pratt, o ator que se tornou a âncora do grupo e o Senhor das Estrelas à frente dos Guardiões, falou sobre a crise que o seu personagem enfrenta no início do filme.

“Ele está perdido. Não é o herói que conhecemos, o que andava por ali sempre a dançar”, descreveu Pratt, mencionando um monólogo que o descreve como um homem que tem andado a saltar de nenúfar em nenúfar, ou de relação em relação, e tem de aprender a nadar.

“É uma coisa muito humana”, referiu o ator. “É alguém que está constantemente à procura de saber quem é. Quando a relação com Gamora desaparece, ele percebe que não é nenhuma destas versões dele próprio e está perdido”, explicou.

O filme faz jus ao estilo explosivo e sanguinolento de James Gunn mas com as doses de humor que tornaram a trilogia distinta e uma exploração mais centrada nos personagens e na ligação emocional que a audiência criou com eles.

“O objetivo foi sempre fazer justiça aos espectadores que adoraram estes personagens a vida toda e também aos que não os conheciam”, explicou Kevin Feige. O presidente disse que James Gunn escreveu a história apoiado na banda desenhada, de forma a que o desenrolar fizesse sentido tendo em conta a génese dos personagens.

Há também análises mais abrangentes na narrativa, que introduz um “vilão com complexo de Deus nascido em berço de ouro”, como caracterizou o ator Chukwudi Iwuji, que dá corpo ao Alto Evolucionário.

O lado mais oposto a este “cientista louco” é encarnado por Pom Klementieff com Mantis, uma personagem empática que se conecta a tudo e a todos de forma profunda.

“A Mantis era, de certa forma, a cola que mantinha os Guardiões juntos”, disse Klementieff. “O mundo tem falta de empatia, por isso esta é também uma mensagem bonita”.

“Guardiões da Galáxia: Volume 3” estreia nos cinemas no dia 05 de maio.

 

FOTO: DISNEY/MARVEL STUDIOSMARVEL STUDIOS

Please follow and like us:
error22
fb-share-icon52
Tweet 26
fb-share-icon20